Características e estratégias para estimular o desenvolvimento em sala de aula

sindorme-de-down

Apesar do comprometimento intelectual e da tendência de permanecer por mais tempo no estágio silábico, muitas crianças com síndrome de Down conseguem se alfabetizar.

Para tanto, o planejamento das atividades não deve ser feito em função das limitações delas, mas sim com a intenção de explorar habilidades de todas. Consequentemente, a escola precisa:

– Ter uma proposta pedagógica que contemple o planejamento didático-metodológico, com currículo adaptado e recursos diferenciados;
– Implementar ações de parceria com profissionais e serviços de Atendimento Educacional Especializado (AEE);
– Investir na formação dos professores.

A partir daí, considerando que alterações de fala e linguagem oral, comprometimento na memória de curto prazo e nas habilidades motoras finas, dificuldade de organização e sequenciamento de informações trazem, como consequências, um atraso na aquisição da linguagem escrita e leitura, cabe a cada professor:

– Inserir uma rotina em sala de aula (entre outras opções, o ideal é um fazer um quadro de horários, somente para explicar à criança portadora da síndrome a sequência dos acontecimentos, sempre lhe dando o tempo necessário para que assimile e mantenha o combinado);
– Selecionar os objetivos que pretende alcançar, dividindo-os em pequenos passos;
– Verificar os conteúdos e habilidades já adquiridos na pré-escola;
– Certificar-se de que habilidades, como independência e cooperação com colegas, possam ser desenvolvidas;
–  Usar material familiar e significativo (de preferência, abusando sempre do concreto);
–  Implantar repetições e reforços adicionais (o mesmo conteúdo deve ser trabalhado em diferentes contextos e as informações sempre repetidas);
– Escolher o nível de apoio apropriado (cuidador, colega, estagiário etc.);
–  Utilizar abordagem multissensorial (explorando todas as vias de entrada: ver, copiar, fazer, sentir etc.);
–  Falar de uma forma simples e familiar, usando palavras já conhecidas;
–  Assegurar-se de que os significados ou tarefas foram entendidos pela criança;
–  Empregar recursos adaptados como lápis e linhas mais grossas, papéis quadriculados etc.;
–  Pedir à criança, caso seja alfabetizada, grifar a resposta correta para localizá-la mais facilmente (se ainda não alfabetizada, a sugestão é que solicite apenas que complete os espaços com frases curtas em vez de escrever todo conteúdo);
–  Trabalhar com colagem de letras ou palavras prontas para que o portador da condição sequencialize as ideias;
–  Utilizar jogos de computador para que a criança reconheça palavras e as arraste com o mouse;
–  Incentivar o discente a escrever sobre temas de seu interesse e conhecimento;
–  Explicar que nos momentos de copiar da lousa o mais importante é selecionar o conteúdo;
–  Estimular a participação da criança nas diversas atividades desenvolvidas;
–  Apresentar as regras e cobrar padrões adequados de comportamento dos demais alunos da turma.

A linguagem tida como a capacidade humana para compreender e usar um sistema complexo e dinâmico de símbolos convencionados, a linguagem representa um dos aspectos mais importantes a ser desenvolvido por qualquer criança, inclusive as com síndrome de Down que, por sua vez, ainda apresentam:

–  Atraso para começar a falar ou ausência da fala;
– Vocabulário restrito (com poucas palavras);
– Trocas, omissões ou distorção na articulação das palavras;
– Pausas no discurso ou repetição de sons;
– Produção de frases curtas com estruturação sintática simples;
– Dificuldade de compreensão.

Consequentemente para estimular a linguagem entre elas, é necessário:
– Incentivar o uso da expressão oral;
– Evitar atender solicitações gestuais;
– Escutar calma e cuidadosamente o aluno;
– Fazer contato visual (ao conversar, o ideal é olhar nos olhos do aluno, abaixando-se para ficar da mesma altura dele);
–  Verificar o grau de compreensão do discente;
– Evitar completar frases até que a criança conclua seu raciocínio, dando-lhe o tempo que for necessário para tanto;
– Usar linguagem simples e familiar, além de frases curtas e claras, quando conversar com portadores da condição;

Orientar os pais no sentido de:
a) aproveitar os momentos da rotina (como escovar os dentes, tomar banho, almoçar etc.) para ensinar ao filho novas palavras, preferencialmente, usando material concreto para estabelecer uma associação entre ele e seu respectivo nome.
b) procurar tratamentos e terapias, em especial à estimulação precoce com fisioterapeuta, terapeuta ocupacional e fonoaudiólogo que contribuem significativamente para o desenvolvimento motor, cognitivo e linguístico dos indivíduos, ao proporcionar a eles uma melhor qualidade de vida e desempenho social.

Marília Piazzi Seno
Fonoaudióloga e psicopedagoga, além de atuar na Secretaria Municipal da Educação de Marília, cidade do estado de São Paulo, ela também presta consultoria e assessoria escolar .Para contatá-la, envie um e-mail para: mariliaseno@hotmail.com.  Fonte

Revista Guia do Ensino Fundamental Ed. 141

Beijos  Simone Santiago Marques

 



Um comentário para “Características e estratégias para estimular o desenvolvimento em sala de aula”

  1. Izaura dias

    Gostaria de mais informações, o que deve fazer para ele conseguir escrever algumas letras ele já conhece
    Deste já muito obg

    Responder

Deixe um comentário