Protocolo – Changing Minds – Fluoxetina ( Prozac)

Dando continuidade no Protocolo Changing  Minds, hoje vamos falar sobre Fluoxetina.

Ainda não estamos ministrando para a Amanda, achamos melhor aguardar já que ela está com cinco anos agora. Provavelmente quando ela estiver no primeiro ano ( 8 anos ), iremos iniciar com essa medicação complementar.

Prozac  ( Fluoxetina)

Em 2006, a Universidade de Maryland School of Medicine tratou ratos com síndrome de Down com fluoxetina por 24 dias. A neurogênese, ou formação de novos neurônios, aumentou para um nível normal. Isto é como aumentar o hardware do seu computador.

Em fetos com síndrome de Down, os neurônios não conseguem mostrar o desenvolvimento dendrítico normal. Esta falha de desenvolvimento resulta em comprometimento intelectual.  Esta substância só pode ser utilizada sob prescrição médica de um neurologista, psiquiatra ou pediatra.

Um fato sabido por muito tempo – os indivíduos com síndrome de Down têm metade da potência normal do cérebro.

Entre 1988 e 1997, a Dra. Elizabeth Gould, da Universidade Rockefeller, descobriu que em ratos e primatas crescem muitos novos neurônios ao longo da vida. O mundo científico não acreditou nela. Fonte

O pensamento médico padrão ensinado é que todos os neurônios são produzidos antes do nascimento e ficaram com você por toda a vida.  Esta foi uma grande mudança de paradigma, e as velhas ideias não morrem facilmente.

Ela ingressou na faculdade em Princeton, em 1997, e realizou estes estudos por cerca de cinco anos, e a comunidade científica foi testando, analisados ​​e reanalisados ​​este fenômeno.  

Conclusão final – Ela estava certa Novos neurônios do cérebro podem ser criados ao longo da vida. Uma  revelação surpreendente de uma grande estudiosa  e que pode ter um efeito enorme sobre as pessoas com Síndrome de Down!

Como pode esta descoberta pode ser convertida em tratamento prático?  

Durante o mesmo período, em um local a cerca de 100 quilômetros ao norte do Instituto Rockefeller, da Universidade de Yale, Dr. Ronald Dumon estava trabalhando com antidepressivos e não conseguia entender por que o Prozac demorava cerca de um mês ou dois para efetivamente elevar o humor dos pacientes .

Trabalhando em cooperação com a equipe no Instituto Rockefeller, ele verificou que era muito mais do que serotonina extra, que neste tempo de espera o cérebro produziu cerca de 50%  mais neurônios, somente após este prazo que o ânimo dos pacientes deprimidos se elevou.E agora sabemos que Prozac cria novos neurônios! UAU!

É um fato conhecido que as pessoas com síndrome de Down não tem o mesmo  número de neurônios que os outros indivíduos   Não é apenas o número de nervos reduzidos, eles não são produzidos corretamente.

Mas o que pode ser feito sobre isso?  Parecia ser uma causa perdida. Bem, não é ! Não desde a descoberta do Dr. Gould e descobertas do Dr. Duman!

 A Universidade de Maryland School of Medicine, fez um estudo simples, mas elegante,  para testar o efeito de Prozac em ratos com síndrome de Down.Foi publicado em 19 de abril de 2006. Eles mostraram que após 24 dias de tratamento com Prozac o número de neurônios em ratos com síndrome de Down mais do que duplicou, passando de uma contagem de 1700 para mais de 4200.

A parte notável é que ambas as formas e agrupamentos necessários também melhoraram

Será que vai realmente ter o mesmo efeito nos seres humanos?  Por que não?

Como o estudo já disse anteriormente , eles gostamos de visualizar o cérebro como um computador.  Para um computador  fazer o seu trabalho tem que ser ligado a uma fonte elétrica e tem um disco rígido capaz de lidar com a carga de informações para ser colocado sobre ele.

Com os dois tratamentos de Ginkgo biloba e Prozac, o Ginkgo Biloba representa o tampão que permite que o sinal eléctrico passe através do nervo corretamente, e o Prozac aumenta o tamanho e configuração da unidade de disco rígido para assegurar que pode lidar com a carga de informação.

Se você pensar sobre isso há mais um programa necessário se você espera que o computador para realizar quaisquer operações construtivas e que é software!

Infelizmente, não há nenhum medicamento para software. Só há educação! A pessoa com síndrome de Down tem um banco de memória de uma pessoa que varia de dois a cinco anos de idade.  A maioria deles nunca aprendeu a ler além do nível de terceira serie.

Os tratamentos discutidos neste local se destinam a preparar o cérebro para ser capaz de responder ao ensino.

Também pode haver um benefício inesperado.  Em suas discussões Dr. Gould observa que a perda de neurônios são substituídos continuamente.

No entanto, se o número de neurónios cai abaixo de um determinado nível, o cérebro parece ir para a defensiva e dirige toda a sua energia para a manutenção do fornecimento existente, e para a geração de novos substitutos. Isto leva a mais neurodegeneração.

Com efeito, isso descreveria a situação com a síndrome de Down  o cérebro que tem apenas metade da oferta de neurônio normais a partir do nascimento.  Se assim for, a produção ao nível de neurônio fica completa com Prozac, e superaria essa fonte de neurodegeneração.

Tenho certeza que quando terminar de postar sobre o protocolo, vocês ficarão encantados como nós ficamos!!

Beijos  Simone Santiago Marques

 



Deixe um comentário