Vida profissional após nascimento

 

Estava pensando sobre o que escrever para este domingo quando vi em algum dos grupos que faço parte, uma mãe perguntando sobre como ficou a vida profissional das mães após o nascimento e vi que seria legal descrever como ficou a minha vida.

Em 2008 estava em um momento profissional cheio de desafios, a Camila já tinha 5 anos e eu trabalhava em uma grande empresa. Neste ano fiquei grávida da Amanda e tivemos o estouro da bolha no mercado americano que afetou o mundo todo e definitivamente o meu trabalho.

Já estava difícil fechar negócios e como a gravidez foi cheia de emoções, recebi mais uma que foi nascimento da Amanda no dia 22 de outubro. Ela tinha 28 semanas, pesava 850 gramas e media 30 centímetros. Como Deus sabe tudo, nossa princesa saiu do hospital no dia previsto para ela nascer se tivesse ficado as 40 semanas na minha barriga.

Amanda nasceu de cesárea e nos 40 dias pós parto eu não podia dirigir. A Camila já tinha sua rotina de escola e para eu não enlouquecer ficando em casa voltei ao trabalho depois de 15 dias. Neste período as visitas à UTI eram em 3 horários, manhã, tarde e noite. O Lúcio trabalhava na cidade industrial e fazia todas as visitas da noite e eu ia nas visitas de manhã e tarde. Esta foi uma vantagem de ter família grande, sempre tinha alguém para ir comigo no hospital. As visitas dos finais de semana fazíamos eu, Camila e Lúcio.

Deixei para tirar o restante da minha licença quando a Amanda saísse do hospital, o que aconteceu no dia 06 de janeiro. Neste período foi possível aproveitar muito pois diferente de quando a Camila nasceu e foi para casa desta vez eu não precisava me recuperar da cesárea.  Fiquei curtindo a Camila e meu bebezinho.

Durante a licença, decidimos que eu não voltaria a trabalhar e tiraria um tempo da vida profissional já que a Amanda precisaria realizar vários acompanhamentos médicos e terapias e achamos melhor eu pedir demissão. Naquela época a decisão foi fácil já que a economia não ia bem, os negócios não iam nada bem e em vários locais as demissões ocorriam. Talvez minha decisão teria sido outra se  naquela época a economia estivessem passando por um momento melhor.

O primeiro ano de vida é o ano da adaptação, e Amanda tinha uma junta médica, eram consultas no cardiologista (A Amanda tinha uma CIA moderada e era necessário acompanhamento), tinha neurologista, endocrinologista (hipotiroidismo), oftamologista (estrabismo),  pediatra, Terapias na APAE e acompanhamento no CRAID, e mais sessões de Fisioterapia .

Já é difícil trabalhar 8 horas por dia de segunda a sexta e acompanhar nossos pequenos é possível imaginar então com uma rotina de exames, consultas, etc.

Para não ficar completamente parada eu e a minha cunhada Grazi decidimos vender roupas femininas. Conseguimos uma representação de uma loja de São Paulo e deixávamos uma mala com roupas na casa das nossas conhecidas e elas compravam. Tentamos por um ano mas não foi possível continuar.

Em maio de 2010 , a Amanda já estava com 1 ano e nove meses, decidimos abrir um Restaurante.  Eram 3 sócios  eu , minha mãe  e meu cunhado. Isso sim era um trabalho difícil!!! Mão de obra complicada e muitaaa faxina!!! Entravámos as 08:30, eu saia as 14:00 e levava a Amanda nas terapias da Apae, Craid e complementos da Fisioterapia.

Era bem corrido, de manhã as duas ficavam com a Jo, minha ajudante maravilhosa, definitivamente só tenho a agradecer pois sem a ajuda de todos as pessoas maravilhosas que tenho ao meu redor não teria conseguido !

No final de 2010, a Amanda começou a andar e assim as terapias da APAE chegaram ao fim e decidimos que em 2011 ela iria para uma regular no período da tarde.

Vendemos o restaurante no final de 2012, já estávamos com as duas meninas na escola então era a hora de eu voltar ao mercado de trabalho. A Amanda já estava com 4 anos, a Camila com 9 anos e as duas iam de condução para Escola. Eu consegui me recolocar na área comercial atendendo corretores de seguro, nesta empresa fiquei por 8 meses.

No ano de 2013, a Amanda estava com 5 anos, nossa casa ficou pronta do outro lado da cidade  e voltei a trabalhar diretamente com seguro, na Corretora de um amigo, bem perto de casa, podendo assim almoçar em casa e levar as meninas na Escola.

Mudei de emprego novamente, após seis meses, a localização e o trânsito complicado começou a pesar, comecei a pensar que se eu trabalhasse em casa poderia estar mais próxima das minhas meninas, então decidimos que o ideal era que eu estivesse mais presente, A Amanda ainda usava fralda e precisava estar em casa para iniciar essa retirada.

Hoje trabalho em casa realizando um trabalho administrativo para uma empresa de médio porte, onde consigo dar atenção para as duas, A Camila estuda de manhã e a Amanda a tarde, de manhã a Camila vai para a escola com uma amiga do condomínio e eu busco as duas, levo e busco a Amanda , e o Lúcio é claro quando pode,  me ajuda nessa rotina .

A Amanda tem somente a fonoaudiologia como atividade extra A Aguida vem até a minha casa duas vezes por semana pela manhã, Amanda adora dançar e assim que possível ela irá fazer Balé!!!

Nosso próximo desafio será o desfralde que iremos começar em setembro, quando as temperaturas estarão começando a subir em Curitiba.

Em  nossa vida sempre estamos fazendo escolhas, sempre buscamos o equilíbrio entre a vida pessoal e profissional. Nossas vidas tem ciclos, em um momento estamos com a vida profissional a mil e em outros temos nosso foco na vida pessoal. Só precisamos estar atentos a estes ciclos e aproveitá-los é o que realmente importa.

Já aprendi muito com a Amanda. Aprendi a perceber o que é realmente importante para mim e para minha família e também que não podemos  direcionar todos os nossos esforços para um lado e esquecer do outro, senão perdemos o equilíbrio e  venho buscando todos os dias  esse equilíbrio.

Beijos    Simone Santiago Marques

 



Deixe um comentário