Você deixaria seu filho Trabalhar ???

No Post de hoje vamos falar sobre a pesquisa da McKinsey&Company em parceria com o Instituto Alana.

Em algum momento da vida de nossos filhos eles precisarão buscar um emprego. Um projeto que tenho já faz algum tempo, é atuar como voluntária na capacitação dos jovens e adultos Down para o mercado de trabalho.

Iniciei o projeto ano passado na Apae de Santa Felicidade, a maior dificuldade encontrada é que a grande maioria dos jovens e adultos não sabem ler. Mas do que nunca a entrada no mercado de trabalho é uma verdadeira inclusão.

Desenvolvi 16 temas para apresentar para o grupo, e foi muito bom conviver com todos eles, das 17 pessoas que participaram do projeto três são Down e os outros transtornos psicológicos leves.

Hoje temos uma lei que determina cotas mínimas para portadores com alguma necessidade especial. De acordo com a Lei 8.213/91, as empresas precisam contratar de acordo com a quantidade de funcionários. No Brasil 2% do quadro em empresas a partir de 100 de funcionários.

Você deixaria seu filho trabalhar ?  A Maioria dos pais não querem .

Alguns por medo do desconhecido, outros não querem perder o benefício do LOAS.

O objetivo então passou a ser : Achar uma vaga em um multinacional , onde os valores finais salariais sejam maiores que o LOAS, além disso é necessário que exista ônibus próprio para os funcionários . Assim as mães vão ficar tranquilas, já entrei em contato com algumas multinacionais, estamos aguardando aberturas de vagas.

Pesquisando na Internet encontrei uma pesquisa realizada no exterior sobre os colaboradores com Síndrome de Down, a partir daí fiquei ainda mais motivada a ir atrás !!! Para a pesquisa completa clique aqui 

Todos eles se sentem orgulhosos de suas atividades e se dedicam ao máximo a sua função. Esta dedicação ajuda na autoestima das pessoas Down e no clima das empresa. A dedicação e o orgulho por trabalhar e mostrar que é capaz, responsável é muito importante na vida de qualquer pessoa.

Dentre os pontos apresentados dois me chamaram a atenção, o primeiro é que faz bem as pessoas Down receberem responsabilidades e ter o seu dinheiro e o outro serve como um puxão de orelha para aqueles que tem um a tendência de proteção excessiva ( eu mesma !!!, mas vou melhorar!!! ) é a dificuldade apresentada por aqueles que tem pais super protetores em se adaptar no ambiente de trabalho .

A limitação quem coloca somos nós, devemos deixar nossos filhos desenvolverem suas aptidões e assim estaremos educando para o mundo. Sabemos que encontraremos pessoas com pouco entendimento e preconceito porém devemos ensinar nossos filhos a não se incomodarem com isso e fazer o seu melhor.

Alguns depoimentos que servem como motivação :

“Eu tenho muitas coisas para resolver no trabalho. Acho isso muito bom”                “O trabalho me traz amor, me traz felicidade. Quando eu não trabalho eu fico triste”  Colaborador com síndrome de Down

“O trabalho trouxe para minha filha o aumento da autoestima e vínculos pessoais. Ou seja, uma vida mais próxima do que identificamos como vida equilibrada, feliz” “Meu filho entrou no mundo da realidade. Fica perguntando quando vai ter um feriado”                                                                                                                          “Hoje minha filha acredita que pode muito mais porque recebe dinheiro”       Familiar de colaborador com síndrome de Down

Como em tudo temos que ver os dois lados sempre, e para as empresas também existe uma melhoria no ambiente organizacional, na qualidade de seus lideres, nas habilidades dentro de equipes em administrar conflitos, ou seja os dois lados apresentam melhorias e ganhos.

“A nossa pessoa com síndrome de Down não é boa com as mãos, mas ela é muito boa para atendimento ao cliente. Ela é o nosso símbolo da loja. Todo mundo a conhece no bairro.” 

“Os clientes sentem falta daquela pessoa na loja. Quando chegam e não a veem, perguntam por ela”

“O atendimento e a simpatia dela são muito bons. É como se fosse a cara da loja. Ela é conhecida na vizinhança.”       Gerente de loja, rede de drogarias

“Todos nós sentimos falta da pessoa com Síndrome de Down quando ela está de férias.”              Diretor geral, rede de supermercados

Quando eu olho pra ela, isso me motiva. Ela possui dificuldades e possui várias conquistas.” 

“Ele tem uma vida regrada. Se ele consegue, eu também tenho que conseguir”   Balconista, rede de drogarias

“Ele (pessoa com síndrome de Down) já é motivado por natureza e isso contagia os outros membros”   Diretor de loja, rede de supermercados 

As empresas que estiverem dispostas a investir na contratação de profissionais com síndrome de Down devem ter clareza sobre alguns desafios a serem abordados.

O primeiro desafio é aprender a lidar com pessoas com síndrome de Down, que não tiveram a oportunidade de desenvolvimento por meio do convívio social, da participação em escolas regulares, da prática de exercícios físicos e lúdicos. Elas costumam apresentar um grande potencial muitas vezes inexplorado por falta de estímulos corretos e necessários para poderem adquirir e aprimorar suas habilidades.

A falta de qualificação profissional para funções específicas, comum entre as pessoas com síndrome de Down, gera o segundo desafio: criar oportunidade de crescimento para essas pessoas.

De acordo com o trabalho que deu origem a este documento, um programa bem-estruturado, que busca maximizar os ganhos mútuos e não negligencia as dificuldades é suficiente para transformar os desafios em benefícios. Como resultado, haverá um impacto positivo não apenas na empresa que trabalha com esse tipo de inclusão, mas também na sociedade de uma maneira mais ampla.

Quem tiver idéias para meu projeto estou a disposição !

Beijos      Simone Santiago Marques

 



2 Comentários para “Você deixaria seu filho Trabalhar ???”

  1. eu sou deficiente fisco trabalhos uma uma grande empresa do brasil .
    vou fazer 5 anos trabalha clinica ; eu sinto bem trabalha clinica porque tenho respeito quem trabalha comigo não é porque eu sou deficiente é por que todo me ajuntadouro para conquista todos meu trabalho como respeita como uma pessoa comum; que trabalha . ta não solfe preconceito sim é muito pouco , é muito pouco meu trabalho , onde trabalha e quem trabalha comigo sebe quem é Isaías ; confia meu trabalha é todo eu queria ser uma pessoa comum estou muito feliz

    Responder

Deixe um comentário